As estações como o povo vê

As estações como o povo vê

Salvador possui sete estações de ônibus e atende um público diverso. Somente nas estações da Lapa e Pirajá trafegam diariamente cerca de 590 mil pessoas

Thaís Santos

Em Salvador o principal meio de locomoção da população são os ônibus. De acordo com informações da Secretaria Municipal de Transportes Urbanos e Infraestrutura, os ônibus atendem mais de 94% da demanda transportada. Isso representa um número mensal de 38,1 milhões de passageiros. A cidade possui sete terminais, conhecidos como: Estação do Aquidabã, Estação da Barroquinha, Estação Iguatemi/Transbordo, Estação da Lapa, Estação Mussurunga, Estação Pirajá e Estação Rodoviária.  Ainda segundo a secretaria, os quatro terminais principais são: Lapa, Pirajá, Mussurunga e Iguatemi.

Os passageiros que utilizam os sete terminais possuem perfis e opiniões diversas quanto às condições atuais das estações. É o caso do aposentado Miguel Oliveira, 84, morador do bairro de Boca da Mata. Ele, que utiliza diariamente o Terminal do Aquidabã, afirma que o local “é uma boa estação”. Já o vendedor ambulante Lucas, 24, nem sequer sabia que o local era uma estação. Para o vendedor, o local era um ponto de ônibus qualquer. Lucas também relata que tem dificuldades em pegar transporte no terminal.

Reclamações

O técnico em radiologia, Adonias Santos, 55, não usava a Estação da Barroquinha há seis anos. Surpreso, Santos relata que as coisas não mudaram muito: “Continua a mesma coisa. Não há segurança, limpeza e os ônibus demoram. Estou há 20 minutos esperando e o ônibus ainda não passou”.

O técnico em contabilidade, Patrick Carvalho, 27, reclama de questões semelhantes no terminal em destaque. “Já presenciei assalto aqui. Não há segurança, tem um módulo policial com geralmente dois policiais. Só vejo esses dois policiais”, destaca. Carvalho diz que usa a Estação da Barroquinha por necessidade, pois é o lugar mais perto de seu trabalho e sua única opção.

O estudante de design gráfico, Ideilson Araújo, comenta que questões como a falta de sinalização e higiene são os principais problemas na Estação do Iguatemi, também conhecida como Transbordo. “É uma estação que tem muita gente, mas é pouco sinalizada, porque não mostram quais são os ônibus que passam no local. Um lugar que não tem banheiro químico. Como fica de frente para um canal, onde escorre esgoto, se torna um ambiente não muito agradável de ficar por causa do cheiro forte”, enfatiza.

Redes sociais

As reclamações sobre as estações de ônibus em Salvador, começaram a entrar nas redes sociais, a exemplo do Facebook, por meio do público jovem. As estações são marcadas, em sua maioria, como o sinal de desabafo da população jovem.