Brasil se destaca como país com maior número de empreendedores

Brasil se destaca como país com maior número de empreendedores

A cada dez brasileiros entre 18 e 64 anos, três decidiram empreender. Deste número, 70% montaram o negócio por oportunidade e não por necessidade e 52% têm até o 2grau incompleto

Maryrluce Cerqueira

O Brasil é, atualmente, o país que apresenta maior crescimento em número de empreendedores dos últimos dez anos, de acordo com a última pesquisa GEM (Global Entrepreneurship Monitor), realizada pelo Sebrae e pelo Instituto Brasileiro de Qualidade e Produtividade (IBQP). Ocupamos uma posição de liderança no quesito empreendedorismo, passando do percentual de 23% da população empreendedora em 2004, para o número de 34,5% em 2014, e nos destacando frente a países economicamente mais desenvolvidos, como os Estados Unidos e o Japão, por exemplo.

“Quando comparado a países que compõem o Brics, o Brasil é a nação com a maior taxa de empreendedorismo, ficando quase oito pontos percentuais à frente da China, com uma taxa de 26,7%”, destaca Luiz Barreto, presidente do Sebrae. Essa taxa reflete outros números muito positivos para a economia do país. Pequenos negócios são responsáveis pela geração de 52% dos empregos formais, o que representa 40% do total de pessoas empregadas no Brasil.

A pesquisa foi realizada com pessoas na faixa entre 18 e 64 anos, em 70 países, e revela dados como número de empreendedores iniciantes e consolidados, nível de escolaridade de quem empreende, etnia, motivação para empreender etc. Para esta última questão veio uma das respostas mais surpreendentes da pesquisa. A maioria dos brasileiros disse ter decidido empreender por oportunidade – por existir uma lacuna no mercado que permitia que eles abrissem um novo negócio – e não por necessidade – como por falta de emprego, por exemplo.

O número crescente de novos empreendedores no Brasil tem uma forte relação com o fato de os trâmites serem menos burocráticos no momento de abrir um negócio. São 9,6 milhões de empreendimentos registrados pelo Super Simples, que funciona no Brasil desde 2007. Desse total, 4,8 milhões dos empreendedores são cadastrados pelo MEI (Micro Empreendedor Individual), o qual permite a formalização de pequenos negócios e representou um avanço no campo dos empreendimentos no Brasil, principalmente por se tratar de um processo bastante rápido.

Pessoas cadastradas pelo MEI têm direito a licença-maternidade, aposentadoria e auxílio-doença e pagam um valor menor de impostos (apenas 5% do salário mínimo mais ICMS e ISS). Contudo, para isso, a receita máxima do empreendimento deve ser de até R$ 60 mil. Além dessas vantagens, a Secretaria da Micro e Pequena Empresa destaca outras em relação ao MEI, como:

• Permissão da baixa imediata da empresa sem certidões e débitos tributários, previdenciários e trabalhistas;
• Dispensa de certidões para operação de extinção, redução de capital, cisão total ou parcial, incorporação, fusão, transformação, transferência do controle de cotas e desmembramento;
• Unificação do cadastro e identificação do cidadão;
• Acesso aos serviços públicos em um só lugar;
• Sistema que guarda informações do cidadão para consultas.

Entre alguns dos outros resultados que a pesquisa trouxe estão os tópicos mais citados como favoráveis para empreender no Brasil. Foram eles: capacidade empreendedora, políticas governamentais e educação/capacitação. Os fatores limitantes também foram postos em pauta na pesquisa e as principais questões mencionadas foram: políticas governamentais, educação/capacitação e apoio financeiro – contraditoriamente.

Apesar de existirem fatores limitantes, estes não são suficientes para frear a capacidade e o potencial empreendedor brasileiro. O número de empreendedores só cresce, como mostra a pesquisa, e os cases de sucesso são muitos, em todas as áreas de mercado.

Entre os casos de negócios que deram certo, ou que estão em constante crescimento, temos os exemplos de quem escolheu empreender no mercado da moda, por paixão ou oportunidade. Esses são os casos de Nuna Gasbarre e Isadora Alves, empreendedoras do ramo da moda que entrevistamos para o ID126. Conheça um pouco mais sobre o trabalho de cada uma nos links abaixo.

Leia mais

Corte e costura: Paixão de infância que pode ser um bom negócio

Com Amor, Dora: Empreendedorismo criativo feito com amor