Esta pode ser a sua história?

Esta pode ser a sua história?

Projeto da Secretaria da Reparação visa incentivar negro a superar obstáculos da discriminação a partir de histórias de sucesso.

Por Laís Gomes e Renato Oselame

O que significa ser uma pessoa de sucesso atualmente? As respostas para esta questão podem ser bem variadas. Podemos obter o estereótipo de que alguém bem-sucedido é uma pessoa que tem um alto padrão econômico de vida, que está frequentemente aparecendo em capas de revista, na televisão, etc. Alguém que tem o poder de influenciar e inspirar os demais dos modos os mais variados possíveis e assim por diante. Também são frequentes histórias de pessoas que superaram obstáculos inenarráveis para se tornarem o que são hoje: exemplos de sucesso.

Apostando na força destes exemplos, a Secretaria Municipal da Reparação (Semur) de Salvador, em parceria com a Secretaria Municipal de Educação, Lazer e Cultura (Secult), lançou o projeto intitulado “Esta pode ser a sua História”. Baseado na vida de 12 personalidades reconhecidamente bem-sucedidas, eleitas por voto popular, a iniciativa tem como objetivo inspirar negros de todas as idades a enfrentarem os obstáculos que a discriminação racial impõe ainda hoje. A seleção destes nomes para o projeto aconteceu entre os dias 5 e 16 de setembro, no blog da Diversidade da Semur.

A primeira etapa do projeto consistiu em uma exposição no Salvador Shopping entre os dias 26 de setembro e 9 de outubro. Após esta fase, “Esta pode ser sua história” se tornará um projeto itinerante nas escolas municipais de Salvador e se encerrará em um evento na Concha Acústica na primeira quinzena de novembro. Leia mais sobre ele aqui.

Na exposição do shopping, se a proposta era estimular os transeuntes a pararem, conhecerem melhor as histórias das personalidades e refletirem sobre o rumo de suas próprias vidas num contexto de discriminação racial (seja você vítima ou opressor), o intuito da campanha se perdeu diante da “pobreza” da iniciativa. Foram alocados apenas seis tótens, cada um com uma impressão em frente e verso com duas fotos e algumas linhas para contar duas das histórias de vida inteiras.

Sequer havia um sétimo tótem para explicar o intuito do projeto: as histórias de nomes como Louislinda Valois e Arany Santana flutuam incertas e por vezes invisíveis em meio ao fluxo de pessoas no corredor do shopping. Poucas pessoas paravam para observar a exposição e não era incomum encontrar dois, três, quatro, cinco (ou mais!) desavisados que, em horário de pico no sábado à noite, passavam por entre as personalidades sem sequer perceber a exposição.

INVISÍVEIS – Nos 30 minutos em que observamos a movimentação de pessoas pela exposição, em um dos horários mais movimentados do shopping, somente alguns pararam para observar a exposição. Menos ainda pararam para ler algum tótem específico e nenhuma das pessoas chegou a olhar todas as histórias. Um retrato de dez minutos desta observação você encontra no vídeo:

A ironia final fica por parte da peça publicitária que anunciava a nova loja da Tim, agora já inaugurada no shopping: uma enorme foto do Blue Men Group chamando muito mais a atenção do que a campanha.

Essa “invisibilidade” das histórias de negros de sucesso não estaria escondendo uma invisibilidade ainda mais cruel: a dos casos de negros ditos sem sucesso? Ao propor para votação apenas nomes de ícones afrodescendentes nos meios acadêmico, empresarial e jurídico, a Secretaria Municipal de Reparação não estaria, de certa forma, ditando um modelo do que seria socialmente valorizado como um caso de sucesso?

Dentro desta perspectiva, a equipe do Impressão Digital 126 saiu às ruas para descobrir o que significa, para diferentes olhares, ser um indivíduo de sucesso em nossa sociedade. E também, claro, quer ouvir a sua opinião sobre isso tudo. Você pode fazer um vídeo, uma gravação em áudio ou mesmo um texto para contribuir com a reportagem, só não vale se calar sobre o assunto! Basta enviar o arquivo pelo nosso e-mail.

Leia:

Entrevistas com vídeo sobre pequenos casos de sucesso (ou não) de pessoas comuns

Confira uma entrevista com Fernando Conceição, especialista na área de Mídia e Etnicidade

Conheça melhor o projeto “Esta pode ser a sua história”