Assessoria: a voz do vereador

Assessoria: a voz do vereador

A assessora de comunicação conta os desafios e as dificuldades do ofício de trabalhar para um vereador em ano eleitoral

Eduardo Bittencourt | Foto de destaque: Aniel Soares/ Labfoto

Em outubro deste ano, os brasileiros vão às urnas para eleger os representantes municipais: vereadores e prefeitos. Mas para garantir que os futuros candidatos cheguem ao conhecimento dos eleitores, há uma assessoria de comunicação que trabalha tentando pautar esse candidato nas mídias sociais e nos veículos de imprensa, pensando em agendas que associem um tema interessante aquele a quem representam. Para saber um pouco mais sobre a rotina desse profissional, o Impressão Digital 126 conversou com a jornalista Jessica Sandes, que é assessora de comunicação do vereador Cláudio Tinoco (DEM) e vai enfrentar pela primeira vez as dificuldades de trabalhar em uma campanha eleitoral. Confira a entrevista abaixo:

Impressão Digital 126 – Quantas horas por dia você costuma trabalhar como assessora de Cláudio Tinoco? Essa carga horária aumenta em ano de eleição? Caso sim, quanto?

Jessica Sandes: Essa questão de quantas horas por dia é muito relativo. Porque, geralmente, começamos a semana com uma agenda e ao final deste período percebemos que ela ficou três vezes maior, devido aos compromissos marcados ao longo dos dias. Tinoco tem uma forma de trabalhar que independe de ano de eleição. Sempre há atendimentos no gabinete ou visita aos bairros, de quinta-feira a domingo. Então, não há muita mudança!

Agora, acredito que no período da campanha – 45 dias antes da votação – essa carga horária dobre ou triplique, pois, além de nossa agenda, devemos acompanhar o prefeito ACM Neto em muitos eventos. Tentando ser objetiva, fico à disposição do serviço o dia inteiro, todos os dias, no entanto, de segunda a quarta-feira, trabalho no gabinete desde às 9h. De lá seguimos para as sessões. Geralmente, estou “liberada” entre 17h e 18h. De quinta a domingo, varia muito, depende da agenda de visitas aos bairros.

ID 126 – Quais são as dificuldades em colocar pautas sobre o vereador nos veículos de imprensa?

JS: Veja bem, geralmente, a grande imprensa (sobretudo jornais e TV) foca em assuntos que venham do prefeito pra cima. Então, o vereador tem que ter realmente uma pauta boa para chamar a atenção dos editores. Esta é a grande dificuldade. Eu gosto de dividir as pautas. Selecionar quais encaixam para qual meio de comunicação. Emplacamos muitas notas em sites e blogs, porque é uma coisa muito dinâmica e quase tudo pode virar notícia, sobretudo em ano de eleição e crise política.

Guardo as mais importantes e de grande impacto para soltar, correr atrás da grande imprensa. Como foi o caso da denúncia de Tinoco sobre as casas de prostituição. Primeiro passei a pauta, com 24h de exclusividade para o Bahia Notícias. Daí já repercutiu em alguns sites. No dia seguinte, corri atrás do Correio*, do Jornal A TARDE, da Tribuna da Bahia, de rádios, TVs. Sempre alimentando-os com novas informações. Neste caso, em específico, ficamos duas semanas na mídia, de forma intensa.

Assessora de Tinoco, Jéssica Sandes, elabora material de divulgação para os eventos e pautas relacionadas ao vereador | Foto: Aniel Soares/ Labfoto

ID 126 – Por outro lado, qual a importância dessas pautas em evidência durante o ano de campanha eleitoral?

JS: O nome dele é lembrado, logicamente. No entanto, é preciso ter cuidado com que tipo de pauta o político vai ser lembrado. Se for pauta positiva, ótimo. Se for negativa, mais trabalho! Risos.

ID 126 – Os compromissos do vereador também aumentam durante o ano de eleição? Como assessora, como você faz para conciliar todos esses compromissos?

JS: Como já disse anteriormente, até então, os compromissos dele estão seguindo de forma natural. Na campanha deve aumentar. Esta será a minha primeira campanha como assessora de um político. Então, estou me preparando para ficar 45 dias completamente (ainda mais) disponível para o trabalho.

Confesso que já recebi algumas dicas como “leve lanches, não tem tempo para comer. Você terá hora para sair de casa, mas não para chegar”.

ID 126 – Há um aumento na procura pelo vereador por meio dos veículos de imprensa ou de outras instituições durante o ano eleitoral? Como assessora, como faz para atender a todas essas solicitações?

JS: Veja, a procura pelo vereador por parte da imprensa, geralmente, não acontece de forma espontânea, tá?! Geralmente (para frisar), outro vereador ou qualquer outro político faz alguma crítica (até como forma de aparecer) e aí necessita de nossa resposta. Ou então, é preciso ter repercussão de algum assunto ou causa que ele esteja ligado (saúde, educação, turismo, Nordeste de Amaralina, Pernambués…). Mas, sim, os repórteres dão mais atenção aos vereadores em ano e eleição. Já por outras instituições, ele continua sendo convidado para eventos sobres as causas que ele defende.

Eu sou muito tranquila para atender as solicitações. Eu respeito muito cada repórter e cada deadline (eu também fui/sou repórter e, por isso, não poderia ser diferente). Ele é muito tranquilo para responder a todos também, nunca passei por uma situação de ter que convencê-lo a responder ou ter que esperar demais. Mas, se precisasse, o faria.

ID 126 – Como as redes sociais podem atuar como uma alternativa para divulgar a imagem e as pautas do vereador em contraposição com veículos de imprensa?

JS: As redes sociais são muito importante e aposto que são decisivas durante a campanha eleitoral. Ao mesmo tempo que os blogs e sites dão mais espaços para pautas de vereadores, às vezes, não é possível veicular algo, e quando é, pode não atingir a quantidade de pessoas que desejamos, por conta da rapidez que as notícias são substituídas. Então, é possível mostrar o dia a dia e se pautar mesmo através das redes sociais.

É possível um tema ter maior repercussão nas redes e isso é um trabalho que estamos aprimorando”. 

ID 126 – Você gosta de trabalhar com assessoria política? O que lhe motiva a continuar atuando na área?

JS: Gosto. É completamente diferente de tudo que já fiz. Muitas pessoas pensam que é mais tranquilo do que trabalhar em redação. E eu lhe digo: depende do ponto de vista, depende da semana. Depende de mil coisas. Mas, sem dúvidas, o que me motiva é exatamente esse “mundo novo”. É uma área que sempre há coisas para aprender.