Café da manhã: feijoada, farinha e molho de pimenta

Café da manhã: feijoada, farinha e molho de pimenta

Camila Jesus e Victória Goulart. Fotos: Camila Jesus

A maior feira da cidade tem uma forma bem marcante de cardápio para começar a rotina 


Feijoada e mocotó são as opções mais procuradas como café da manhã reforçado na Feira de São Joaquim. Essa fotorreportagem mostra aspectos desse hábito bem baiano de fazer a primeira refeição do dia.

Colorido caótico
As milhares de pessoas que circulam todos os dias, a cordialidade dos comerciantes e o colorido natural formado pelas diversas frutas, verduras e legumes são peculiaridades de São Joaquim que transformam o galpão caótico em um centro de abastecimento aconchegante que se mantém dinâmico e inusitado todos os dias. Mesmo sendo uma feira com rica variedade de produtos não-alimentícios, a principal fonte de arrecadação dos comerciantes provém da alimentação. As centenas de boxes e bancas da feira são tomadas por vegetais, frutas, carnes e bebidas.

Hábito Peculiar

Os cardápios dos pequenos bares e restaurantes são reflexos dos hábitos alimentares e culinários da Cidade Baixa. Entre eles a opção gastronômica mais pedida: feijoada e mocotó no café da manhã, mais precisamente antes das seis horas. Já abastecido para a  refeição matinal, o Bar e Restaurante do Gordinho, nas primeiras horas do dia, estava com o caldeirão de feijoada pronto e com dois clientes à espera do café-da-manhã: Gil Santos, 27 anos, prancheiro e carregador de frutas na Feira de São Joaquim e Júnior Lima, 38 anos, dono de um bar e mercearia no bairro Sussuarana.

Feijoada desde pequenininho
Assíduo na prática de comer feijoada no café-da-manhã, Gil Santos justifica: “Como todos os dias! Pra dar sustância pra trabalhar, né?”. Seu hábito não é recente, vem desde a infância e é algo comum na sua família. Se já fez mal alguma vez? “Não, nunca, estômago aqui é de ferro”, afirmou o prancheiro. Enquanto Gil finalizava sua feijoada acompanhada de farinha e molho de pimenta, Júnior Lima iniciava seu prato com os mesmos acompanhamentos e com o mesmo propósito: criar disposição para o dia de trabalho. “Preciso ter energia pra ir até o fim do dia”, diz o microempresário.

Hábito alimentar faz parte do cotidiano da cidade baixa

Costume nordestino
Os adeptos do café da manhã natural podem estranhar a refeição matinal peculiar da Cidade Baixa,  mas o  hábito de  iniciar o dia comendo miúdos e feijão faz parte da cultura nordestina. Com muito carboidrato e um alto índice calórico, o prato robusto faz a rotina mais produtiva, segundo os adeptos. Quem se aventura a conferir?