Desafio da agilidade reconfigura a relação jornalistas x fontes

Para “sair na frente” com as informações, a apuração feita pelos jornalistas apela para novas estratégias

Por Jairo Gonçalves

A apuração e veiculação de notícias adquiriram uma velocidade tão grande que alguns meios preferem “dar o furo jornalístico” antes de realizar uma apuração mais aprofundada. Este é um aspecto que a presidente do Sindicato dos Jornalistas da Bahia (Sinjorba) Marjorie Moura, afirma que não deve nortear a profissão. Segundo ela, a base do trabalho de um jornalista é a credibilidade e a apuração do conteúdo “Se não houver qualidade na apuração da notícia, estamos prestando um desserviço à sociedade”, ressalta.

Ida Sandes – Foto: Jairo Gonçalves

A rapidez na apuração jornalística hoje se deve em grande parte à influência da internet e o consequente surgimento das redes sociais, que muito facilmente vêm pautando os grandes veículos de comunicação. Para atender as demandas do público, a forma de produzir informação está sendo modificada com a mesma rapidez com a qual é possível enviar um email.

Sobre essa possibilidade que também pode ser entendida como facilidade, o gerente de jornalismo da TV Bahia, Giácomo Mancini, dirige sua crítica: “Antigamente o jornalismo era feito no olho a olho, em alguns casos por telefone, hoje os jornalistas não têm a preocupação de ter uma agenda para anotar o contato da fonte”. Para Giácomo Mancini essa nova forma de relação acaba provocando certo distanciamento por parte do jornalista com suas respectivas fontes, entretanto, ressalta que a confiança ainda permanece.

A ideia do jornalista como um profissional que tem o dever de estar na rua e a partir daí construir suas narrativas, vem sendo abalada pelas novas dinâmicas de trabalho absorvidas pelos veículos de comunicação. Sobre essa dinâmica a jornalista recém formada pela Faculdade de Comunicação da UFBA, Ida Sandes, editora multimídia do G1 Bahia, afirma que a sociedade vivencia outro momento e o problema a ser considerado é a falta de empenho de alguns profissionais. “Existe muito jornalista preguiçoso, viciado na rotina e que não se preocupa com os desdobramentos da notícia que está apurando”, ressaltou Ida Sandes. Segundo ela, a internet é um importante meio para estabelecer os contatos sociais hoje.

Continue lendo:

Produção da informação: tarefa exclusiva do jornalista?

“As informações relevantes podem ser difundidas por qualquer pessoa”

As novas tecnologias e a sua interferência na produção jornalística

Share